top of page

Guillaume Bignon

Se os ateus franceses raramente se tornam cristãos evangélicos, quanto mais raro é de um tornar-se um teólogo cristão evangélico. Então o que aconteceu? Alguém poderia argumentar que, com 66 milhões de franceses, eu sou apenas um acaso, uma anomalia. Estou inclinado a vê-lo como obra de um Deus que diz: "Terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia" (Rm 9:15). O meu testemunho irá ajudá-lo a decidir por si mesmo.

 

Eu cresci numa família maravilhosamente amorosa em França, perto de Paris. Éramos católicos, uma expressão religiosa que parecia surgir mais da tradição e, talvez, mais por superstição do que por convicção. Assim que me tornei jovem disse aos meus pais que eu não acreditava em nada disso, e parei de ir à missa. Eu persegui a minha própria felicidade em todas as frentes, beneficiando da dedicação amorosa dos meus pais. Isso permitiu-me de apoiar causas sociais na escola, de aprender a tocar piano, e envolver-me em muitos desportos. Eu estudei matemática, física e engenharia na faculdade, formei-me numa escola de engenharia respeitada, e consegui um emprego como cientista de informática em finanças. Em termos de desporto, fiz corrida, salto em altura, joguei voleibol no campeonato nacional, viajando pelo país todos os fins-de-semana para os jogos.

 

Um dos ideais importantes dos jovens ateus franceses masculinos consiste nas conquistas femininas. Aqui, eu estava a começar a ter sucesso suficiente para satisfazer os padrões “exigidos” nos vestiários desportivos. Em todas as coisas eu estava muito feliz com a minha vida. E numa cultura completamente secular, as hipóteses de alguma vez ouvir o evangelho e de acreditar nele, eram incrivelmente reduzidas.

 

Novo Alvo na Vida

 

Quando eu estava nos meus 20 e poucos anos, meu irmão e eu tivemos férias no Caribe. Um dia, voltando da praia, decidimos pedir boleia para casa. Um carro parou. Duas mulheres jovens que estavam de férias ali também, vindas dos EUA, estavam perdidas e precisavam de indicações para o seu hotel. Aliás, era bem próximo a nossa casa, então elas nos deram uma boleia.

 

Elas eram bastantes atraentes para que o meu “radar” se desligasse imediatamente, e começámos a curtir. Aquela na qual eu estava interessado mencionou que acreditava em Deus - pelos meus padrões era um suicídio intelectual. Ela também disse que acreditava que o sexo pertence ao casamento - uma crença ainda mais problemática do que o teísmo, se isso fosse possível. No entanto, uma vez que as férias terminaram, voltei para Paris, ela para Nova York, e começámos a namorar.

 

Meu novo objectivo na vida era a desiludir a minha namorada de suas crenças, para que pudéssemos estar juntos sem noções antiquadas de Deus - ou de sexo – a impedir o relacionamento. Comecei a pensar: Qual seria uma boa razão para pensar que Deus existe, e que boa razão havia para pensar que o ateísmo era verdade? Este passo foi importante, porque a minha própria incredulidade descansava confortavelmente no facto de que as pessoas inteligentes ao meu redor não acreditam em Deus também. Era mais uma suposição razoável de vida do que a conclusão de um argumento sólido. Mas é claro que, se eu queria refutar o Cristianismo, primeiro eu precisava saber o que ele defende. Então eu peguei numa Bíblia.

Ao mesmo tempo, eu percebi que havia pelo menos uma experiência que eu poderia realizar. Pensei: Se alguma coisa disto é verdade, então o Deus que existe presumivelmente se importa muito sobre este meu projecto. Então eu comecei a orar para o ar: "Se há um Deus, então aqui estou. Eu estou olhando para isso. Porque você não se revela a mim? Estou aberto." Eu não estava, mas eu percebi que se Deus existisse, não iria impedi-lo.

 

Uma ou duas semanas depois da minha oração descrente, um dos meus ombros começou a falhar - sem qualquer acidente ou dano evidente. O médico não podia ver nada de errado, o fisioterapeuta não conseguiu ajudar, mas foi-me dito que eu precisava descansar o meu ombro e parar de jogar voleibol por um par de semanas. Contra minha vontade, mas assim o fiz.

 

Com os meus domingos disponíveis, eu decidi que iria a uma igreja para ver o que os cristãos fazem quando se reúnem. Eu conduzi a uma congregação evangélica em Paris, visitando-os como se eu fosse a um zoológico: ver animais exóticos que eu tinha lido nos livros, mas nunca tinha visto na vida real. Lembro-me de pensar que, se algum dos meus amigos ou família me visse a entrar numa igreja, eu morreria de vergonha.

 

Não me lembro de uma palavra do sermão. Assim que o serviço terminou, eu pulei e corri para a porta de saída, evitando contacto com os olhos, a fim de não ter que me apresentar. Cheguei à porta traseira, abri-a, e, literalmente, tinha um pé fora da porta quando uma explosão de refrigeração subiu do meu estômago até a minha garganta. Eu me ouvi dizendo: "Isso é ridículo. Eu tenho que descobrir isso." Então, eu coloquei meu pé de volta, fechei a porta, e fui directo ao pastor.

 

"Então, você acredita em Deus?"

 

"Sim", disse ele, sorrindo.

 

"Então, como é que funcionam?", perguntei.

 

"Podemos falar sobre isso ", disse ele. Depois que a maioria das pessoas saiu, fomos ao seu escritório e falou por horas. Eu o bombardeei com perguntas, e nos encontramos de novo ao longo de várias semanas. Ele paciente e inteligentemente explicou a sua visão de mundo. E eu nervosamente passei a considerar que tudo isso podia ser verdade. Minhas orações incrédulas mudaram: "Deus, se você é real, precisa deixar isso bem claro para que eu possa entrar e não fazer papel de bobo." Eu tive a esperança de que Ele iria abrir o céu e descer uma luz.

 

Por que Jesus teve que morrer

 

O que se seguiu foi menos teatral e mais brutal: Deus reactivou minha consciência. Esta não foi uma experiência agradável.

 

Ao mesmo tempo que eu tinha começado minhas investigações, eu cometi um delito particularmente sinistro, mesmo para os padrões ateus. Embora eu soubesse exatamente o que eu tinha feito, eu tinha encoberto. Mas Deus o trouxe de volta à mente com força total, e eu tive real consciência do que tinha feito. Fiquei impressionado com uma culpa intensa, ferido com uma dor no peito, e revoltado com a ideia do que eu tinha feito e as mentiras que eu tinha usado para encobrir.

 

Eu estava deitado no meu apartamento perto de Paris, com dores, quando de repente a “ficha” caiu. É por isso que Jesus teve que morrer: por mim. Aquele que não conheceu pecado, foi feito pecado em meu favor, para que nele eu fosse feito justiça de Deus (II Coríntios 5:21).

Ele tomou sobre si o castigo que eu merecia, de modo que na justiça de Deus, os meus pecados fossem perdoados - pela graça, como um presente, em vez de por meus actos justos ou rituais religiosos. Ele morreu para que eu pudesse viver. Eu coloquei minha confiança em Jesus, e pedi-Lhe que me perdoasse da maneira que as Escritura prometem que Ele faria.

 

Agora que tudo estava em aberto, eu assumi que Deus queria que eu me casasse com minha namorada cristã, e então mudei-me para Nova Iorque. Rapidamente aprendemos que absolutamente não fomos feitos um para o outro. Mas agora, fora do meu país e sozinho, com o tempo em minhas mãos, eu estava apaixonado por estudar a minha nova fé, a fim de a explicar a meus amigos e familiares. Eu li livro após livro, assisti palestras e debates, e adorei cada momento. Isso foi tudo que eu fiz no meu tempo livre. Eu percebi que se eu estava a gastar todo o meu tempo e energia a estudar o cristianismo, poderia obter um diploma por isso. Então, me inscrevi num seminário, e, eventualmente obtive um mestrado em estudos do Novo Testamento. No processo, eu conheci uma mulher maravilhosa, casámos, tivemos dois filhos, e prossegui os estudos em doutoramento em teologia filosófica.

 

Este, em resumo, é a forma como Deus tomou um ateu francês e fez dele um teólogo cristão. Eu não estava à procura de Deus; eu nem procurei-o nem o queria. Ele estendeu a mão, me amou quando eu ainda era um pecador, derrubou minhas defesas, e decidiu derramar Sua imerecida graça – que Seu Filho fosse glorificado, e que eu pudesse ser salvo de meus pecados pela graça mediante a fé, e não por obras. É o dom de Deus, para que ninguém se glorie (Ef 2:8,9).

 

Esse é o evangelho, e é uma boa-nova em que vale a pena acreditar.

 

Guillaume Bignon vive em Nova York com sua família

 

Gostaria de conhecer sobre o plano de Deus para a sua vida?

Como um ateu francês se torna teólogo

bottom of page